03 novembro 2013

Chocolate

O chocolate sempre foi o sonho e o pesadelo da maioria das mulheres. Mesmo sendo rico em gordura, carboidratos e muitas calorias, as mulheres costumam abandonar qualquer dieta quando o assunto é chocolate. Por isso, ele acaba se tornando o principal vilão daquelas que querem emagrecer.
O que muitos não sabem é que essa delícia também pode trazer benefícios para a saúde, se não for consumido com exagero.





BENEFÍCIOS
Segundo a nutricionista Sheila Silva Castro, do Hospital e Maternidade Beneficência Portuguesa de Santo André, o chocolate é um alimento benéfico à saúde, porém deve-se ficar atento ao consumo.
Além as gorduras, carboidratos e muitas calorias, esse alimento delícioso contém cálcio, ferro, potássio, cobre, manganês, magnésio, vitaminas E, B1, B2, B3, B6, B12, cafeína, feniletiamina e teobromina, que, segundo a especialista, agiliza e estimula o raciocínio. O chocolate tem ainda a capacidade de elevar os níveis de serotonina e endorfina, causando sensação de bem estar, além de promover a disposição, evitar o mau humor e a depressão.




MALEFÍCIOS
Mas, existem pessoas que têm sensibilidade aos componentes do chocolate. Essa sensibilidade, segundo a nutricionista, pode se manifestar em forma de eczemas, insônia e enxaquecas. Pode ainda provocar diarréia devido ao alto teor de gordura e de açúcar. Para essas pessoas, é recomendado pela especialista que limite o consumo de chocolate ou o elimine o mesmo de sua dieta.
O mesmo vale aos portadores de Diabet e doenças cardíacas. Eles devem redobrar a atenção aos rótulos, pois muitos chocolates podem conter adição de cereais e consequentemente de glúten. O alerta também é válido para quem possui intolerância à lactose - açúcar do leite. Uma boa opção para ambos os casos são os chocolates feitos à base de pó de soja, segundo a nutricionista.
De acordo com a especialista, geralmente as crianças são as principais afetadas pelo consumo excessivo. "O consumo exagerado pode gerar complicações com a saúde, como alergias, diarréias, dores de cabeça, ganho de peso, além de agitação devido à presença de cafeína.
O ideal é ingerir quantidades pequenas ao longo dos dias, para não haver alteração no apetite, pois as crianças precisam de outros alimentos e não devem deixar de fazer as principais refeições. Para os adultos a recomendação é a mesma, muita cautela", orienta.